As delícias {e as lutas} de ser uma cristã solteira neste mundo

15 janeiro 2010

Meninas,

encontrei esta mensagem em um blog de uma jovem da Assembléia de Deus que cuidava dos Solteiros de sua Igreja, e achei interessante postar aqui. Ela tira a dúvida de uma jovem. É de grande ajuda porque muitas de nós já passaram por isso, estão passando ou irão passar.
Leiam com atenção.




Sou de Uberlândia - MG. (...) Como devemos reagir quando tentamos construir um relacionamento saudável, comprometido com Deus, na hora certa, "conforme o figurino" e mesmo assim ele se desfaz, tão rápido quanto começou. Existem respostas óbvias, como: "Não era o tempo de Deus." "Não era a pessoa certa." "Você fez algo que a desagradou." "Vocês não nasceram um para o outro." Isso eu sei, mas como devemos reagir? Sei que não posso desistir. Mas, devo dar um tempo para esfriar a cabeça? Devo orar mais, pois foi isso que faltou? O que fazer para não desesperar à procura de mais alguém? Como vencer o medo de quando vir outra, não pensar que é somente outra tentativa?


Claro, se não deu certo era porque não era de Deus ... mas quem disse que só saber disso cura a dor do fracasso? Qualquer um que já tenha passado por um relacionamento mal sucedido sabe que consola mas não explica.
Somos humanos e queremos respostas. Como Jó, queremos que Deus explique o porquê de estarmos sofrendo. A maioria de nós; se não todos, acabamos por descobrir que a resposta mais comum de Deus é o silêncio. É assim, sob o silêncio que diz: "Confia em mim".
Seguimos adiante tentando entender da melhor forma o que está acontecendo. Falhar é sempre doloroso. Pior ainda é falhar quando temos certeza de que estamos no centro da vontade de Deus. Aí, fica difícil entender os porquês de que, mesmos após muita oração, leitura bíblica e investimento genuíno do seu melhor em uma relação, ela acaba.
No entanto, podemos, em meio ao consolo de Deus e fé de que Ele está sobre controle de tudo, fazer a nossa parte.
A autora do livro Planeta Single (ed. Mundo Cristão), Norma Wrigth, foi muito feliz ao falar sobre esse momento de dor e como devemos reagir. Mágoa, decepção, solidão, apatia são palavras que descrevem como nos sentimos diante de amizades que acabam e namoros rompidos.
Além disso, todo sobrevivente de um relacionamento que chegou ao fim é assombrado por algum medo quanto a relacionamentos futuros. Eles se perguntam: "Se aconteceu uma vez, poderá acontecer de novo? E se acontecer, será que o problema não sou eu mesmo?"
Algumas pessoas enfrentam o fim com a cabeça erguida, aprendem com ele, superam seus medos e restabelecem a confiança e o amor novamente. Outras, porém, permitem que suas feridas emocionais permaneçam abertas e inflamem. As pessoas cedem aos apelos de seus medos e se afastam de qualquer relacionamento íntimo. São declaradamente cautelosas, prevenidas e julgam todo mundo, evitando se magoarem novamente. O trauma de relacionamentos amorosos rompidos é uma das coisas mais dolorosas na vida; o medo de amar novamente é um dos maiores temores que podemos sentir. Quando você confia à outra pessoa seus sentimentos de amor e afeição e o relacionamento acaba, você sente que sua vida foi paralisada.
O primeiro amor perdido é normalmente o mais doloroso. As pessoas que mais se ferem são aquelas que continuam ligadas de alguma maneira a um(a) amigo(a) namorado(a) ou noivo(a) e desejam que o relacionamento seja restabelecido. Elas se sentem desesperadas, totalmente fora do controle e estão dispostas a fazer praticamente qualquer coisa para manter o parceiro.
Mas elas não têm controle sobre as decisões de ser amado.Ver uma pessoa se arrastando pela vida, sem poder ajudá-la, dá-nos um sentimento de vazio e impotência. Se a decisão de acabar com o relacionamento foi tomada pela outra pessoa, o sentimento de rejeição que se instala no coração é o responsável pela maior parte da dor. Pode até ser que você deseje iniciar um novo relacionamento, mas, pelo fato de já ter se machucado antes, é natural pensar: "Esqueça, a dor não vale a pena".
Então, o que fazer para se recuperar? Curta a sua dor. Ao curtir a dor - o que significa deixá-la existir -, você tem a oportunidade de expressar seus sentimentos de medo, ansiedade, raiva, tristeza, depressão e até mesmo culpa. Essas reações emocionais que surgem diante da perda maior vêm em ondas que batem em seu coração, diminuem, e depois voltam novamente.Encare-as, admita sua existência, aceite-as e demonstre-as. As lágrimas farão parte dessa expressão e elas são um dom de Deus para aqueles que lamentam. Nunca se desculpe por elas. Você nunca precisa se desculpar por um dom de Deus. Se você é capaz de externar o choro, seja grato a Deus, pois há pessoas que somente conseguem chorar por dentro! Expressar a dor é a oportunidade de protestar a perda. É permitir que uma parte de você diga: "Eu não queria que isso acontecesse e mudaria tudo, se pudesse!" A dor permite que você reaja contra o estrago que essa perda causou em sua vida. Sem esse sentimento, é impossível olhar para a frente de novo. Seu coração faz apenas uma pergunta quando um relacionamento acaba: Por quê? Mas, a medida que o processo se desenvolve, você será capaz de fazer uma pergunta: o que posso aprender com toda essa dor?


Vamos analisar os passos para a recuperação:




  • 1. Mude o modo de se relacionar com a pessoa que perdeu. Isso significa aprender a existir e viver sem aquela pessoa em sua vida. Reformule suas atividades e refaça sua agenda para preencher o espaço criado pela perda. Saiba que algumas lembranças surgirão, mas tome a decisão de viver no presente.


  • 2. Liberte-se do relacionamento. Diga adeus àquilo que você perdeu. Isso pode ser feito por meio de uma carta enviada ou não.


  • 3. Perdoe a outra pessoa. Isso significa, conseqüentemente, perdoar a pessoa por toda a dor que você sofreu por causa dela. Isso leva tempo, Com o passar dos dias, surgirão novas oportunidades de suplantar o investimento emocional feito na pessoa que você está perdendo.


  • 4. Conviva com pessoas. Não tente fazer isso sozinho. Deixe que os outros o ajudem. E, acima de tudo, compartilhe essas coisas com Deus. Não é - nem nunca será - fácil superar a perda de alguém importante, o fim de uma relação. Mas sabendo que Deus quer o melhor para nós e que - mais cedo ou mais tarde - a dor passará, poderemos estar abertos para a vontade soberana do Senhor. Confiar em Deus e entregar a Ele nossas ansiedades, nossos desejos e nossa dor é o melhor a fazer. No tempo certo, a resposta de nossos anseios mais sinceros de encontrar a pessoa certa virá. Nunca duvide isso.


Em Cristo



Alessandra [Grupo de Solteiros - Assembléia de Deus]

Isso :
by Núbia Onara 13:00 No comments | in

0 Deixe aqui seu comentário:

Postar um comentário

Pesquise no blog